Apresentação

Uma história, um poema e várias brincadeiras para cada letra do alfabeto. Um almanaque escrito com poesia, liberdade, alegria. Tem tudo aqui: a almofadinha de agulhas da avó Alice; uma bruxa banguela e barriguda; crianças que colecionam caixas e caixinhas; a Doutora Dora Doralice; um extraterrestre que engolia espinafre; formiga feliz com farelo; a gentileza do gafanhoto Getúlio; a hiena humorista; o incrível ímã de Iracema; os joelhos da jogadora Joelma; o kartista Karl; lembranças de uma lavadeira linguaruda; Maria e os milagrosos grãos de mostarda; o nobre Norberto; uma oportunidade de ouro; passaportes para a poesia; Quincas, o questionador; o rato roqueiro e as rosquinhas recheadas; a suçuarana à sombra do salgueiro; a taturana terapeuta e o tatuzinho tantã; os ufologistas em Urano; Valentina e a varinha de condão; Wellington e Maxwell, os irmãos windsurfistas; Xisto no xilindró de Xique-Xique; Yasmin e Yuri; o zíper Zaqueu; e muito, muito, muito mais... Eis o time das 13 feras que ilustraram este almanaque: Alexandre Camanho, Bruna Assis Brasil, Carla Irusta, Elma, Fábio Sgroi, Graça Lima, Janaina Tokitaka, Luiz Maia, Maurício Veneza, Nilton Bueno, Sami Ribeiro, Ximena Garcia, Yara Kono.


Image-placeholder-1

Trecho do Livro

““(o texto escritor para a letra Q)



Quincas, o questionador



Quincas colocava a mão no queixo e questionava:



— Queijadinha ou quiche de queijo? Quindim ou quindão? Cavaquinho ou cavanhaque? Quebra-molas ou quebra-cabeça?



Inquieto do jeito que era, Quincas preferia quebrar a cabeça e rir de seus questionamentos. Filho de Quintiliano e Quintília, o inquieto questionador queria mergulhar na quinta-essência de tudo:



— Por que o quero-quero sempre quer duas vezes? Por que algumas máquinas fazem tique-taque?



Quintília queixava-se com o marido quietinho e cinquentão:



— Olha, Quintiliano, vou enlouquecer com estas quatrocentas mil questões. Só queria ter um pouquinho do pique de nosso moleque querido.



E Quincas questionava:



— O que serei quando crescer? Equilibrista ou quadrinista de histórias em quadrinhos? Químico-físico ou químico-industrial? Quiçá serei pesquisador de quebra-quebras, quiproquós, badulaques, quinquilharias...



Quintília e Quintiliano queriam entender o filho, mas Quincas colocava a mão no queixo e questionava:



— Quem tem mais riqueza? Um banqueiro cheio de mesquinharia ou um quitandeiro tranquilo? Falando em quitanda... Quiabo ou mandioquinha? Pequi ou quiuí?



E Quincas ria de seus questionamentos...”




VOLTAR PARA CATEGORIA