Apresentação

Existe uma idade certa para amar? As pessoas de cabelos brancos podem namorar? Será que os sentimentos esfriam com a idade? A história de Aparecido e Aurora traz muitas respostas. E traz delicadeza, perdão, esperança, reinvenção, poesia e o vestido florido de Aurora nos olhos apaixonados de Aparecido…


Image-placeholder-1

Trecho do Livro

“"...Uma vez, uma vizinha disse-lhe que ela não tinha mais idade para namorar e usar roupas estampadas. Que tudo aquilo era para os jovens. Aurora ficou magoada, mas depois pegou toda essa mágoa, colocou-a dentro de um balão e o soltou. A mágoa e o balão voaram para bem longe. Aurora não mais se incomodaria com o que os outros viessem a falar dela. Talvez a vizinha quisesse também amar de novo e usar vestidos floridos, mas devia sentir medo de ser feliz. No começo, quando Aparecido formalizou o pedido de namoro, ela ficou um pouco receosa, mas teve de escolher entre o medo e o amor. Escolheu amar. Aurora, viúva, tinha duas filhas casadas. Aparecido, também viúvo, tinha uma filha morando no exterior e dois filhos casados. Ele pensou que nunca mais voltaria a amar. Enganou-se. Aurora também se enganou. E os dois descobriram que os enganos também podiam ser bons. Resolveram morar juntos na casa de Aurora e alugar a casa de Aparecido. Havia flores nos vasos, frutas na fruteira e paz enfeitando todos os cômodos, principalmente nas ocasiões em que a casa se enchia de alegria, com a presença dos filhos e netos de ambos. Todos se curtiam. Era uma vida boa. Um dia, Aparecido trouxe um peixinho laranja da feira e montou um aquário com pedrinhas coloridas. Deram um nome para o peixinho alaranjado: Santiago. Após o almoço, eles reinventaram a tarde. Aurora virou sereia e Aparecido virou marinheiro. Os dois desbravaram os sete mares e..."”




VOLTAR PARA CATEGORIA